domingo, 13 de setembro de 2015

PRAÇA DA QUADRA CINCO

Foto enviada por morador

A seção do blog que dedica seu espaço para leitores denunciarem o descaso em suas comunidades dessa vez cede espaço à praça da QUADRA CINCO (5).
As últimas publicações, referentes às praças das quadras quatro (4), oito (8) e orla fluvial, receberam algumas tentativas de “justificativa” por parte dos defensores de plantão. A clássica estratégia de converter vítimas em culpados:

“A prefeitura faz, os vândalos é que destroem...!”

Mas a quem compete ampliar, reformar e criar políticas de preservação? É correto que toda a comunidade sofra e seja forçada a “reconhecer” que, de fato, não se tem uma praça pública atrativa porque vândalos agem indiscriminadamente?
A covardia de tal argumento se utiliza de uma malícia ideológica. As vítimas passam a ser responsabilizadas pelo descaso do poder público. Quando se entrega uma estrutura e não fiscaliza ou estimula políticas de preservação, logo o abandono se converte na depredação e, consequentemente, na transferência de responsabilidade:

"FIZ! Todos estão de prova... Mas o pessoal não tem jeito. Quebram mesmo... Têm que ficar sem..."

A facilidade do argumento ganha adeptos, muitas vezes entre os próprios moradores. Esses serão usados como a água que lava as mãos dos Pilatos que corroem as administrações públicas.

OS MORADORES DEVEM PRESERVAR?

Incentivar a preservação a partir do sentimento de pertencimento promove a corresponsabilidade (completamente diferente de responsabilização) de todos. Eventos culturais pontuais (teatro, música, cinema, palestras...) e criação de hortas orgânicas comunitárias por praça com organização a partir de associações de bairros são apenas alguns exemplos de como a gestão pública pode despertar o olhar e atitude de preservação para com o bem público.
Mas, como podemos ver pelas fotos enviadas pelo leitor, que prefere não se identificar, a praça sequer tem o que preservar. Abandonada e, muitas vezes, usadas como depósito de lixo, nessa sequer caberão as falácias de que o vandalismo a destruiu. 



Vale lembrar que construir e reformar praças públicas, tanto na zona rural quanto urbana, foi promessa de campanha do prefeito. Das duas, por sinal, como podemos conferir nas imagens a seguir.



Até agora nada... mas tem até dezembro de 2016 pra fazer, né?