terça-feira, 22 de dezembro de 2015

EM MEIO AOS ESPINHOS, VICEJAR. VISITA DE DILMA A FLORESTA

Fotos: Daniel Filho

Ovacionada, a presidenta Dilma Rousseff inaugurou nessa terça-feira (22) a segunda Estação de Bombeamento-EBV-2, do Eixo Leste do Projeto de Integração do Rio São Francisco em Floresta. Um ato marcado por fortes discursos femininos que se iniciou com a fala da prefeita anfitriã.

RORRÓ MANIÇOBA

Rorró Maniçoba (PSB), deixou claro seu posicionamento acerca do pedido de impeachment à presidenta Dilma:
“Eu desejo que o governo federal avance. Torcer contra o governo referendado pela escolha popular é torcer contra o Brasil”. A prefeita, com personalidade, antecipa um posicionamento de seu partido contra o processo de impedimento do mandato da presidenta. Fez ainda uma reinvindicação ao governo federal para que assuma os custos dos projetos de irrigação em toda a extensão (vinte mil Km de terras férteis) em que passará a obra de transposição, acreditando ser essa uma excelente alternativa econômica ao município prevendo que, com a irrigação, a cidade possa se desenvolver tal qual Petrolina.

PAULO CÂMARA

Com princípio de vaias quando anunciado, o governador fez um breve discurso. Reconheceu os esforços do governo federal para que não haja paralisação nas obras de transposição, deixando claro o sofrimento do povo nordestino que enfrenta seu quinto ano de estiagem severa em diversos pontos do estado. Evitou falar sobre impeachment e avisou aos presentes:
“Quero desejar a Dilma, aos ministros e todos que estão aqui que contem com Pernambuco. O povo pernambucano vai continuar trabalhando muito por um estado melhor e um Brasil mais desenvolvido.”

DILMA ROUSSEFF

Iniciou sua fala com agradecimentos a todos os trabalhadores responsáveis pela obra, para, na sequência, saudar autoridades presentes.
Apresentou um discurso claro do que se trata a obra e sua importância, mas também forte com relação ao atual cenário político.

SOBRE A TRANSPOSIÇÃO

Sua fala atenta para a importância da obra de transposição do Rio São Francisco enquanto instrumento de convivência com a seca, e não resolução dessa, visto que, segundo sua fala, é impossível uma tecnologia que controle o clima.
“Nós não controlamos nem a chuva, nem a falta de chuva. Mas podemos criar as condições para que a população tenha uma convivência digna e sustentável com a seca. A interligação do São Francisco é essa tecnologia que vai permitir que a gente conviva com a seca e que a gente seja capaz não de acabar, mas de controlar as condições em que ela aparece e afeta a vida das pessoas no semiárido, a vida de populações enormes, fundamentais para a prosperidade do nosso País.”

SECA

Sobre os 126 municípios em situação de emergência reconhecida, a presidenta apontou os atos do governo federal:
“O governo federal tem aqui 1.158 carros-pipa distribuindo água, sob coordenação do Exército, em parceria com os carros-pipa do estado. Nós recuperamos aqui 330 poços, fizemos várias cisternas, temos 112 mil agricultores familiares recebendo Garantia-Safra. Eu cito esses números justamente para sublinhar, para enfatizar, para dizer que nós não deixamos também de ter ações emergenciais, porque ninguém que está com dificuldade de acesso à água pode esperar, a sede não espera, a falta de água para alimentar, para dessedentar as criações, não espera.”

AÇÕES ANUNCIADAS

Além de entregar a segunda estação de bombeamento do Eixo Leste, assinou convênios no valor de R$285 milhões de reais com os estados de Pernambuco, Paraíba e Ceará, para obras de infraestrutura e abastecimento que levarão água para as comunidades rurais às margens dos canais. Garantiu que a obra será concluída ainda em 2016.

CRISE POLÍTICA

A presidenta dedicou frases simbólicas e fortes para ilustrar seu sentimento:
“Vivemos em um país democrático com um governo que tem um compromisso: o de superar a crise. Nada vai me demover desse caminho. Eu tenho orgulho de ter um patrimônio: meu nome, meu passado e meu presente. Sou daquele tipo muito característico aqui do Nordeste: A gente pode até dar uma ‘envergadinha’, mas não quebra."
Encerrou seu discurso, ao som dos gritos: "Não vai ter golpe!" fazendo um comparativo do mandacaru com a crise que o país atravessa. Citou o mandacaru como representação simbólica do nordestino:
“Acho muito bonito o fato de uma flor tão bonita vicejar em meio aos espinhos, ou seja, se os espinhos são a crise, a flor do mandacaru vai vicejar com a água do Rio São Francisco.”

PETROLÂNDIA

Os que muito falam e criticam, não compareceram, mas o município não deixou de marcar presença. Junto ao Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR) e Movimento dos Sem Terra (MST), o Blog Gota d’água cobriu o evento como convidado.
No palanque, junto à presidenta, diversas lideranças e autoridades, o presidente do STR, senhor José Maurício, entregou, assim como o MST, pauta de reinvindicação a contemplar agricultores, assentados e acampados do município.
Esperamos ver vicejar, entre os espinhos da revolta política seletiva, as flores do desenvolvimento com raízes embasadas na política social coletiva, afinal, do ranço, pouco (ou nada) nasce.













Nenhum comentário:

Postar um comentário