terça-feira, 8 de dezembro de 2015

INTEGRANDO A SÉTIMA ARTE: MOSTRA NA PRAÇA PARA MOSTRAR A FORÇA DO CINEMA PRODUZIDO EM PETROLÂNDIA

Fotos: Daniel Filho


Com apoio da prefeitura, através da Secretaria de Ação Social e Secretaria de Cultura, acontecerá na próxima sexta-feira (11) a edição 2015 do Projeto Integrando a Sétima Arte. O local da mostra será a praça de alimentação (onde antes ficava a quadra esportiva). Abertura e encerramento com apresentações culturais e exposição de artesanato/obras a partir das 18:00hrs. Início da exibição dos curtas previsto para as 19:30hrs. Grupos de dança, cantores, artesãos, escritores, cordelistas, artistas plásticos que desejarem se apresentar/expor suas obras, procurar Ítalo Leite ou Alexandre Sertão para definição de espaços.
Promessa de uma grande alternativa cultura aberta à comunidade.

FILMES QUE SERÃO EXIBIDOS

A Escola Estadual de Jatobá, principal proponente do projeto em 2015, participará com cinco curtas. A Casa das Juventudes participará com um documentário e apresentação cultural. Confira abaixo, com sinopse escrita pelos próprios estudantes, o que será exibido nessa sexta-feira:

VOCÊ NÃO É ALICE Alice era uma menina do interior com problemas psicológicos que, aos quatorze anos, foi internada em um manicômio tido como “País das Maravilhas”, a menina não tinha noção das crueldades que fariam a ela. Alice morre misteriosamente e, por seu histórico, o caso foi dado como suicídio. Surge uma sobrinha que nunca aceitou a morte da tia e fará de tudo para fazer justiça.

CONSEQUÊNCIAS Em uma escola acontecem vários tipos de violência contra alunas. Elizabeth é uma garota ingênua que vive em meio a toda essa turbulência. Envolvida em um relacionamento movido a ciúmes machistas ela resolve por um ponto final a tudo isso.

O GATO PRETO Adaptação do clássico conto de horror escrito por Edgar Allan Poe. Um homem alcóolatra começa a passar por momentos sobrenaturais depois de ter matado sua mulher e seu gato de estimação. Esse homem irá passar por muitos tormentos até pagar por seus crimes.

FAMÍLIA COMPOSTA Adaptação da peça de Domingos Pellegrini o curta mostra uma comédia de costumes. Fala um pouco de nossa vida e das pessoas que nós conhecemos. Problemas de relacionamento, valores sociais, poesia, enfim, coisas do cotidiano tratadas com muita sensibilidade, crítica e humor.

MULHER DE BRANCO Adaptação da famosa lenda urbana em que homens infiéis no casamento encontram, à beira da estrada, uma misteriosa e linda mulher vestida de branco que os seduz a um final trágico.


QUILOMBOLA – Ainda com título provisório o documentário faz o registro da comunidade Bordas do Lago. Uma importante contribuição cultural e jornalística desenvolvida pela Casa das Juventudes que deixará registrado para sempre a vida na comunidade.

HISTÓRICO

Idealizei (Daniel Filho) o projeto em 2008, ainda professor da Escola Santo Antônio, sob o título Literatura em Cena. Estudantes do nível médio deveriam adaptar no formato curta-metragem obras referentes à escola literária em que estavam estudando. 
Assim a turma do 1° ano adaptou a clássica obra de Willian Shakespeare Sonhos de Uma Noite de Verão; o 2° ano adaptou a peça Lágrimas de Xerxes, de Machado de Assis que, por sua vez, faz releitura de Romeu e Julieta, clássico texto de Willian Shakespeare; O 3° ano revisitou a obra de Jorge Amado com a divertida adaptação do clássico Dona Flor e Seus Dois Maridos.
A exibição aconteceu dentro da escola com participação dos pais. Em 2009 levei à escola pública a ideia e dei as características que estão presentes até hoje no projeto. Entre 2009 e 2013 o projeto Integrando a Sétima Arte ganhou contornos grandiosos que iam além dos muros da escola. Todas as escolas foram convidadas a incentivar a produção cinematográfica como recurso pedagógico. Com exibição em praça pública aberta a toda comunidade e cerimônia que premiava as obras por categoria (ator, atriz, filme, trilha sonora, diretor...) o projeto foi um convite às artes e rendeu um acervo que conta hoje com mais de cinquenta curtas produzidos por crianças e adolescentes.
Soa, então, arriscado citar alguns dos favoritos, mas cito os que foram mais premiados na história do projeto com troféus recebidos em quase todas as categorias em que concorreram:
A Saga do Padre e A Moça, obra que adapta uma lenda de nosso município; Fênix, um enredo intrincado, com diversas tramas paralelas que, brilhantemente, é dirigido de forma a não deixar pontas soltas; Sertão das Muié Séria, dos Homi Trabaiadô, apresenta diversos recortes de situações típicas do povo sertanejo.
Esse ano, pela primeira vez tendo a Escola de Jatobá como proponente, optamos por não convocar as obras à competição.  

ATÉ ONDE É POSSÍVEL CHEGAR?



Mistura de palpite e sonho, mas é possível perceber que não tardará ver nosso município virar referência em produções cinematográficas. O atual cenário nacional tem Pernambuco como principal expoente com novos clássicos, tais como O Som Ao Redor (Kleber Mendonça Filho) e Tatuagem (Hilton Lacerda), o que, por si, já deveria instigar o poder público a investir cada vez mais nessa área. Com um acervo com mais de cinquenta filmes produzidos por crianças e adolescentes na cidade em oito anos do projeto Integrando a Sétima Arte, sempre com poucas reformulações entre uma edição e outra, é preciso fincar pés estratégicos para ver esse recurso pedagógico como uma forma a mais de emancipação intelectual, artística e econômica dos envolvidos. Para tanto é preciso investimento já que tudo ainda é produzido de forma amadora e com pouco apoio e recursos técnicos e financeiros.
Buscar captação de recursos estaduais e federais para a formação técnica de alguns desses jovens é uma alternativa, mas é preciso mais garantias. Em escolas que funcionam em regime semi-integral, integral ou com contra turnos que promovem mais tempo na escola por meio de programas - Mais Educação e o Programa de Ensino Médio Inovador (PROEMI), por exemplo - se faz necessário discutir, junto a seus gestores, coordenadores, professores e estudantes, a criação de núcleos de estudos e pesquisas em mídia e audiovisual dentro das escolas.
Esperamos que a mostra 2015, enfim, se torne marco para ir além do trabalho escolar e se torne uma forte política pública cultural.





video

Acima gravação de parte do ensaio para gravação do curta FAMÍLIA COMPOSTA, todo filmado no Centro Cultural Hildebrando Menezes. 

3 comentários:

  1. São ações e cobertura como esta que mostra a diferenciação entre os Blog. O seu é cultura e informação voltada a sociedade em geral, principalmente a do nosso municipio.
    continue nesse rumo sempre Daniel.
    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigado por nos acompanhar e reconhecer o esforço de sempre para oferecer o que temos de melhor (de maneira crítica, mas sempre visando a construção)

    ResponderExcluir
  3. Muito bom, Professor. Foi um prazer ter participado do projeto e é incrível, realmente, como o aluno se empenha em adentrar esse mundo da arte. Não tem como não se envolver.

    ResponderExcluir