quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

LULA FAZ PALESTRA DE ABERTURA DO 33°CONGRESSO DA CNTE

Foto: Daniel Filho
O 33° Congresso Nacional da CNTE foi aberto oficialmente na noite desta quinta-feira (12) pelo ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva na Conferência “Conjunturas Internacional e Nacional”.
Aclamado por mais de 2500 profissionais da educação de todos os estados brasileiros e diversos países como Argentina, Paraguai, Uruguai, Portugal, Angola, Suécia, Estados Unidos, Japão, Alemanha, Noruega, Haiti, Canadá, além do movimento social brasileiro, Lula fez um retrospecto de todos os avanços sociais conquistados após sua eleição, em especial para a educação, fazendo uma analogia entre a histórica dívida do Brasil para com índios, negros, pobres, trabalhadores:
Foto: Daniel Filho
“Tenho orgulho de ter incluído na grade curricular o ensino de História da África. Os estudantes precisam aprender e reconhecer a dívida histórica que temos com o povo africano (...) foram trazidos para cá não somente para serem escravizados, mas para ajudarem a construir esse país (...). Muitos ensinaram que os negros foram trazidos para trabalharem no lugar dos índios porque, diziam, que os índios eram preguiçosos. Não, os índios não eram preguiçosos, eles foram exterminados e, por isso, precisaram escravizar nossos irmãos africanos. Não podendo haver dinheiro que pague essa dívida, devemos, no mínimo, sermos solidários, garantindo relações de comércio, desenvolvimento e educação entre nossos continentes.” 
Foto: Daniel Filho
Lula citou ainda a mesquinhez de parte da elite brasileira que se incomodou com a ascensão dos mais pobres e o quanto esse sentimento está presente no governo que, segundo ele, entrou pelas portas dos fundos de forma usurpadora: 
“Deixamos de lado o complexo de vira-lata e passamos a ter orgulho de dizer que somos brasileiros, mas agora querem mudar e fico triste por ver o quanto estamos e vamos retroceder (...) Nunca pensei que iria voltar a ver crianças pedindo esmolas nas ruas das capitais (...) fico triste ainda em ver que querem que o povo brasileiro volte a andar de cabeça baixa, quando já tínhamos virado essa página (...) não aguentam ver pobre se tornando engenheiro, professor, doutor... Mas uma coisa que eles precisam aprender é que filho de pobre não é para ser pedreiro, doméstica... se ele quiser, ele pode ser doutor.” 
Foto: Daniel Filho
Citou ainda os avanços na educação em seu governo como a conquista do piso salarial nacional dos professores, além da criação de universidades e institutos federais, extensão, olimpíadas de matemática e língua portuguesa, transporte escolar pelo programa Caminhos da Escola, e alertou aos presentes que é tempo de luta para não retroceder: 
“Quando governei esse país nunca deixei ninguém se referir como ‘gasto na educação’, era para tratar sempre como investimento, pois a grandeza de um país está em como se oferta a educação para a população (...). Não fiz tudo o que queria, mas tenho certeza que fiz mais do que todos os que me antecederam (...) Assisti ao anúncio do atual ministro sobre aprovar o piso salarial dos professores acima da inflação... ele falando como se isso fosse muita coisa e não a obrigação. É preciso, companheiros, que estejam atentos ao que eles falam e é preciso muita luta.”
Foto: Daniel Filho
Lula reafirmou sua convicção em continuar andando o país para retomar o crescimento e as conquistas sociais, ainda que façam de tudo para tentá-lo impedir. Os presentes lançaram diversos coros: “Brasil, urgente, Lula presidente”; “Volta, Lula!”; “Lula guerreiro do povo brasileiro”.
O Congresso continua pela noite com aprovação de regimento e plenárias de discussão.


Daniel Filho