terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

“A HISTÓRIA COMO PASTOR É BONITA, MAS GOVERNAR É DIFERENTE” – ÚLTIMA PARTE DA ENTREVISTA EXCLUSIVA COM ROGÉRIO NOVAES

Imagem: Arquivo

Na terceira e última parte da entrevista, Rogério Novaes faz uma análise dos primeiros cinquenta dias de gestão de Ricardo Rodolfo, mutirão de limpeza da orla fluvial e manda um recado para o povo petrolandense.


DF - Gostaria de ouvir seus comentários acerca dos primeiros cinquenta dias de gestão executiva e participação legislativa.
RG – Essa sua pergunta é um pouco complicada de responder devido a termos sido candidatos à majoritária há tão pouco tempo e a gente comentar um início de governo pode ser levado pra outro lado, de que estaria criticando por ter perdido as eleições, mas não é isso. Vou falar como cidadão de Petrolândia.
Foi feita uma transição, foi como passar de pai pra filho. Então o que a gente esperava, já que houve uma transição tão boa como o próprio Ricardo sempre diz, é que ele não errasse como está errando em tudo que já relatei no começo da entrevista.
É muito bonita a história de Ricardo como pastor. Ele conseguia fazer o bem a partir de doações, mas como prefeito não dá pra governar assim. Tem como fazer algumas parcerias com a iniciativa privada? Tem! Porém não tem como viver de mutirões e doação da própria comunidade. A prefeitura não pode fazer isso, é crime. Existe receita, nós temos nossos direitos e deveres e ele deve gerir nossos recursos.

Foto: Rogério em sua rede 

social denuncia descaso com 

a área rural

Para avaliar ele agora não é fácil, mas acho que já começou errado e é a única coisa que posso te dizer. Mas precisamos cobrar. Não pode ter isso de que começou agora, se não depois passam três anos e o povo ainda vai ficar defendendo que ele precisa de tempo e mais tempo...acaba se mantendo o mesmo grupo político que está aí há vinte anos e Petrolândia sem sair do lugar.
Costumo dizer: Quem quer ver Petrolândia depois de Simões, olhe para o Bairro Nova Esperança. Lá você vê o que foram as sucessões do prefeito Francisco Simões. Se achar que tá bem, então está, senão... Mas ali representa o que foi a administração pública de Simões pra cá.
Ricardo tem vontade, vontade essa que não percebo em alguns secretários, mas vamos torcer pra que dê certo. Acho corretíssimo quando ele diz que cargo de secretário não é duradouro e que, se daqui seis meses não der certo, de que ele dará lugar para outro tentar, eu no lugar dele faria o mesmo.

DF - Comente sobre o mutirão da limpeza da orla fluvial... Acha válido?
RG – Esse acredito que foi o tema mais discutido ultimamente. É como eu já disse, Ricardo é acostumado com esse tipo de trabalho na igreja, esse lado mais humanos. Mas na política a gente tem que ser político também. Então vejo diferente, eu não faria esse mutirão. Eu faria com que se conseguisse contratar quinze, vinte ou até trinta pessoas que realmente tivessem conhecimento do que é uma enxada, uma lida, uma limpa... Onde os maquinários da prefeitura não pudessem entrar, iriam os trabalhadores fazer essa capinagem, dando oportunidade para que se ganhe um dinheirinho suado, sofrido, mas com dignidade. Contratar pessoas que tenham conhecimento, porque eu vi vídeos de gente que nunca pegou uma enxada, pode ver que as mãos devem estar cheias de calo, graças a Deus, não fizeram nenhum arte e onde ele limpou pode ter certeza de que não está bem feito o serviço porque quem conhece da lida muitas vezes deixa a desejar, imagine quem não conhece... Então não vejo como bom exemplo não, mas esse é meu pensamento. Mas se ele acha que está certo... Dou os parabéns a quem foi e espero que tenha ido por esse motivo, de fazer a limpeza e não visando ganhar um emprego de Ricardo depois.

DF - Aberto espaço para suas considerações finais...

Acervo pessoal

RG -  Quero lhe agradecer mais uma vez por abrir esse espaço novamente para que a gente possa se expressar, mostrar nossos sentimentos. Agradeço de coração ao Blog Gota D’Água e diretamente a sua pessoa, Daniel. Quero dizer a povo de Petrolândia que a gente só não é mais vereador, mas continuamos sendo filho de Petrolândia, pessoa que ama essa cidade e que acredita que um dia possa ver essa cidade sendo realmente de todos.
Vamos pedir a Deus que esse governo que aí está se acerte, se alinhe, pois não sou daqueles que fazem a política do “quanto pior, melhor”. Quero que se alinhe para ver nosso município se desenvolver. Que tenhamos boas escolas, faculdades, que o hospital venha atender melhor as pessoas, que nossa agricultura seja valorizada.
Rogério Novaes só saiu da câmara de vereadores, mas está aqui de braços abertos para abraçar os amigos e ajudar no que for possível. Não mudei meu telefone e nem quero mudar. As pessoas que ligavam pra mim podem continuar ligando que vamos continuar fazendo o mesmo trabalho social que fizemos durante esses quatro anos em que o povo me conheceu como vereador. Um forte abraço do amigo de hoje e sempre Rogério Novaes.