terça-feira, 7 de março de 2017

VEREADORES, SINDICATO E MOVIMENTOS SOCIAIS DISCUTEM MORADIA E REFORMA DA PREVIDÊNCIA EM PETROLÂNDIA

Imagens: Daniel Filho


Domingo (5) o Blog Gota D’Água acompanhou a reunião da associação de moradia Cássio Alves com vereadores, sindicalistas, líderes políticos e de movimentos sociais.
A associação, que ocupou as terras localizadas às margens da BR-316, próximo ao aterro sanitário, e tem como presidente Fábio Santos, luta pelo reconhecimento e posse para iniciar a construção de suas casas.

“Eu moro há 30 anos em Petrolândia e nunca tive uma casa pra morar. Sempre sofrendo com aluguel...tirando do pouco salário o dinheiro do aluguel (...). Antes eu não gostava e queria distância de movimento social, mas com o tempo descobri que estava errado. Sem luta a gente não consegue nada.” Fala de César de Creuza, ex-candidato a vereador e militante.

Participaram da reunião os vereadores Evaldo, José Luiz dos Santos (Zé Pezão) e Lourival Joaquim (Louro do Vidro), além de representações da Frente Popular Petrolândia (FPP) presidentes de partido Natan Caetano (PT) e Rômulo Soares Pedrosa (PSOL), que, em suas falas, deram importante destaque não somentes ao tema moradia, mas aos ataques do governo ilegítimo contra o povo trabalhador, principalmente as mulheres, com as reformas propostas até aqui:

“Com essa reforma absurda, homens e mulheres passarão a ter que trabalhar até os 65 anos de idade, se tiverem contribuído por 49 anos... Esse tema é de extrema relevância discutirmos outras conquistas, como a da moradia popular, que estamos debatendo aqui hoje. Ou vamos às ruas lutar ou perderemos todos os nossos direitos.” Declarou Natan Caetano.

“A política é uma imensa roda gigante que não para de girar. E quem está em cima hoje, amanhã pode estar embaixo. Ontem era o governo popular de Lula e Dilma que estava em cima, veio o golpe e os levou lá pra baixo, ficando por cima aqueles que nos oprimem... Mas a roda não parou de girar e eles estão sentindo que estão perto de cair.” Ilustrou Rômulo Soares, que também falou sobre o grande problema a afligir tantas famílias: territorialidade. Lembrou que a depender de força política e união social a problemática territorial entre Tacaratu e Petrolândia pode ser resolvida, citando como exemplo cidades como Manari e Cidade Livre, outrora povoados, passaram à emancipação.

Os vereadores de oposição, Evaldo, José Luiz e Louro do Vidro, fizeram falas de apoio aos movimentos sociais e luta da associação Cássio Alves para conquistar o direito por moradia digna.

“Esse governo ilegítimo que aí está faz de tudo para criminalizar movimentos sociais e somente com a união e mobilização podemos reverter. Dia 15 de Março será a Greve Geral e estaremos à frente dando todo o apoio aos trabalhadores e trabalhadoras.” Declarou o vereador Evaldo que se prontificou a estar à frente também das negociações entre associação e prefeitura junto aos colegas parlamentares de oposição.
Representando o prefeito Ricardo Rodolfo, Marcus Antônio de Souza, fez uma fala de esperança para os presentes:

“Ricardo é um homem sério e está preocupado com a situação de vocês, quer fazer acontecer, mas para dar certo é preciso calma, ter paciência, não venderem e nem deixarem vender terrenos para não se criar a especulação, fazer os cadastros corretamente, não construir de forma permanente enquanto não resolverem todas as pendências (...). A prefeitura atenderá e fará os cadastros na sala da cidadania, que contará com o apoio de Mônica Caetano e Fábio Leite. Vamos aos poucos garantir que todos tenham direito à moradia com dignidade.”

A próxima reunião está agendada para acontecer próximo domingo (12) e, provavelmente, contará com a presença do prefeito.