domingo, 2 de setembro de 2018

EDUCAÇÃO DE PERNAMBUCO EM DEBATE

Imagem: SINTEPE


O Sindicato dos Trabalhadores em Educação (SINTEPE) promoveu sua 14° Conferência em homenagem aos cinquenta anos de lançamento da obra “Pedagogia do Oprimido”, de Paulo FreireA Regional do submédio São Francisco participou com educadores de Floresta e Petrolândia.
O Blog Gota D'Água irá publicar o resultado de alguns dos painéis que foram debatidos no evento, a começar com avaliação da educação básica em Pernambuco.

DIAGNÓSTICO DA EDUCAÇÃO DE PERNAMBUCO

O Painel de Exposição “Diagnóstico da Educação Básica em Pernambuco” contou com a participação dos estudantes Kelvin Rodrigues (UBES) e Leni Correia, da (UESPE) os primeiros a fazer suas considerações.
Rodrigues destacou alguns pontos positivos como a criação e a ampliação do Programa Estadual Ganhe o Mundo. Porém, os elogios pararam por aí. Para os estudantes, há uma visível falta de investimentos na educação, principalmente quando se compara o número de universidades federais e de faculdades particulares. Sobre Educação Básica, a estudante Leni Correia adiantou que a UBES lançará um dossiê das escolas de Caruaru. “Muitas escolas não têm quadra poliesportiva, mas nos registros consta a construção de quadras poliesportivas. A Educação de Pernambuco não está essa maravilha. Há um abismo entre a propaganda e o que se observa nas escolas”, disparou Correia.
A participação das famílias no ambiente escolar também foi um ponto discutido entre os conferencistas. De acordo com Alexandre Queiroga, Presidente da AMPA existem legislações que asseguram espaços de controle social, mas, muitas vezes, esse espaço é negligenciado pelo poder público ou subutilizado pela sociedade civil. Para Queiroga, os encontros entre família e escola deveriam ser em todos os meses do ano, e não apenas um encontro a cada trimestre.
A deputada Teresa Leitão, Presidenta da Comissão de Educação e Cultura da Assembleia Legislativa de Pernambuco, destacou dois pontos importantes para o Diagnóstico da Educação Básica: valorização profissional e o modelo de gestão. Segundo a deputada, o Governo afirma construir um Pacto no quesito educação, mas o que existe não é um pacto de rede e, sim, pacto de escola por escola, iniciativa que tem criado tensões no ambiente escolar.
“Professores estão levando seus computadores para casa para preencher o Siepe tendo como principal finalidade ganhar o bônus, enquanto isso os conteúdos não são levados em consideração”, afirmou. Além dessa inversão de prioridades, Pernambuco tem elevado seus níveis de adoecimento entre docentes como consequência do estresse.
O número reduzido de cursos para o Profuncionário também chama a atenção da deputada, pois existem apenas dois cursos disponíveis para os funcionários da rede estadual de ensino. Recentemente o estado matriculou 492 estudantes. A representante do Legislativo considerou o número muito pequeno tendo em vista o número de profissionais.

Imagem: SINTEPE

O Presidente do Sintepe, Fernando Melo, concorda com Teresa Leitão no tocante à valorização dos trabalhadores e lembrou a promessa feita durante a campanha eleitoral de 2014, à época o governador afirmou que dobraria os salários dos professores. Além da promessa frustrante, Fernando Melo também citou o número elevado de contratos temporários, equivalente a 38% dos professores de Pernambuco. Sobre a Reformulação do Plano de Cargos e Carreiras, Melo demonstrou mais o descontentamento sobre a paralisação dos trabalhos. “Atualmente, os licenciados têm a mesa valorização de um professor de Ensino Médio. O governo divulga a sua nota do Ideb, mas quem tem feito o sistema funcionar é o professor que está na ponta”, frisou.
A Secretaria Executiva da Secretaria Estadual de Educação (SEE) foi reapresentada no Painel de Exposição por Daniele Bastos, também professora. Em sua fala, Danielle destacou que o governo tem se esforçado em ampliar a oferta escolar em Pernambuco e que isso pode ser verificado com o aumento de escolas integrais e técnicas, porém há o entendimento de que é preciso melhorar na qualidade da educação e continuar o trabalho acerca do Plano de Cargos e Carreira. A professora destacou ainda as ações da SEE, como Portal Escola Conectada, Ensino de Programação, Robótica e o Programa Ganhe o Mundo. Como desafios, Bastos pontuou fortalecer a inserção dos alunos nos alunos pernambucanos no Exame Nacional do Ensino Médio.

Parte dos delegados e delegadas do Sub médio São FranciscoImagem: SINTEPE Floresta