sábado, 12 de janeiro de 2019

PETROLÂNDIA TEM OPOSIÇÃO POLÍTICA?

Imagens: Reprodução



Na política ser oposição é representar um modelo político, social e econômico que apresente diferenças significativas e perceptíveis que contraponham a posta pelo governo. Por isso existem os partidos políticos e as divisões: esquerda, direita, centro...
Partindo desse conceito podemos considerar que existe oposição no município? Depende das respostas para as seguintes questões:
Qual o modelo econômico, político e social vigente e qual o modelo que o contraponha é proposto? O posicionamento é apenas criticar e "jogar a culpa" ou aponta propostas bem fundamentadas de que outro caminho é possível?
Em eleições municipais é fácil perceber candidatas e candidatos que fogem da polarização política e de serem identificados por um partido ou mesmo como esquerda/direita. Pregam “votar em pessoas e não em partidos” e se denominam “independentes”. O que parece ser democrático, na verdade, traz riscos graves à democracia. A sigla do partido passa a ser instrumento de negociação e aluguel e os ideais, necessários para nortear o melhor projeto para o bem estar da sociedade, deixam de existir.
Em Petrolândia não é diferente. Por isso que há alguns anos (senão desde sempre) podemos afirmar que, dentre os grupos políticos hegemônicos (que detém mandatos e ou a maioria dos votos em eleições passadas), não há oposição política, mas grupos “do contra” que, geralmente, forjam as militâncias a tomar lado pelo grau de ressentimento pessoal com o outro.
As pessoas deixam de votar em ideias e projetos claros, para votar no que menos o ofendeu, no que mais o ajudou individualmente (e aqui não estamos falando da “compra de votos”) ou simplesmente para alternar os grupos que governam a cidade. Tal condicionamento dificulta o fortalecimento de outras vias políticas, pois, ainda que simpatize por projetos apresentados, é acionada a lógica do “voto útil” que se resume a manter o que está ou "mudar" (as pessoas e não as práticas) com o que mais tem chances de vencer.

Imagem: Câmara

Analisando a atual formação da Câmara de Vereadores de Petrolândia a maioria “de oposição” é esmagadora, oscila entre sete e oito (a considerar o número de votos que obteve o atual presidente, Joilton Pereira, que ora se declara independente, ora oposição). Oito de onze cadeiras do legislativo se declaram ou agem contra o governo atual. O que isso significa?
Com esse número, por exemplo, foi materializada a aprovação do impeachment do prefeito de Abaré, Bahia, Fernando Tolentino (PT, noticiado aqui no blog, reveja clicando no link ao final desse artigo), como também é possível convocar CPI’s. Esses exemplos não visam incitar um posicionamento de irresponsabilidade antidemocrática contra a atual gestão, mas para demonstrar a força, e responsabilidade, que “o grupo” passa a ter.

COMO SER OPOSIÇÃO?

Essa maioria na Câmara pode realmente vir a ser um bloco de oposição com feitos que lhes cabem: revendo, aprimorando e atualizando o plano diretor, assim como a lei orgânica do município; construindo e acompanhando a implantação do plano de acessibilidade e mobilidade urbana; exigindo concurso público (ainda mais agora com a mudança na Lei de Responsabilidade Fiscal), participando das discussões quanto ao processo seletivo; fiscalizando o desenvolvimento do plano de resíduos sólidos; acompanhando mais atentamente as contas públicas fortalecendo os conselhos; construindo, ouvindo a as demandas dos mais diversos segmentos sociais...
Ser oposição, fazendo dessa maioria agente de transformação social, ou ser apenas o grupo do contra que vai se recolher ao papel apequenado de formular condições para disputa, com alguma chance de vitória, o pleito de 2020?
A resposta está nas mãos “do grupo”.

Artigo de opinião por Daniel Filho

MATÉRIA RELACIONADA: