segunda-feira, 24 de setembro de 2018

NOTA PÚBLICA: ABERTAS AS INSCRIÇÕES PARA SELEÇÃO DO “MINHA CASA, MINHA VIDA”




O Conselho Municipal de Assistência Social comunica aos habitantes de Petrolândia que já estão ABERTAS AS INSCRIÇÕES para o Processo de Seleção do PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA.
As inscrições serão realizadas nesta segunda 24 de Setembro a 10 de Outubro, das 7h 30min às 16h 30 minutos, somente nos dias úteis. O local de inscrição é na parte superior do Mercado Público Abel Henrique de Souza, localizada na Avenida dos Três Poderes, no 141- Centro, Petrolândia-PE.
NÃO PERCAM ESSA OPORTUNIDADE!
Segue o Edital com os critérios de Inscrição:


Conselho Municipal de Assistência Social

MANIFESTAÇÃO EM BOA VIAGEM SE REFERE A MULHERES DE ESQUERDA COMO CADELAS

Imagem: Moyses/Rfi Brasil



Ontem (23), na Praia de Boa Viagem, no Recife, aconteceu a “Marcha da Família” com manifestantes de extrema-direita pró-Bolsonaro. Trios elétricos acompanhavam a manifestação intercalando jingles do candidato, com oração, hino nacional e uma paródia do funk “Baile de Favela”, cuja letra chama mulheres com posicionamento político de esquerda de cadelas, citando ainda a Central Única dos Trabalhadores (CUT).
Carlos Veras, presidente licenciado da CUT – PE, lançou nota de repúdio que o Blog Gota D’Água reproduz a seguir:

Nota de Repúdio

Como presidente licenciado da Central Única dos Trabalhadores de Pernambuco (CUT/PE) e candidato a deputado federal representando os direitos da classe trabalhadora e dos sujeitos submetidos à exclusão e ao preconceito, é sem surpresa, mas com enorme indignação que venho por meio desta nota pública manifestar nosso absoluto repúdio contra o tratamento dado às mulheres e aos trabalhadores durante a manifestação ocorrida hoje em Boa Viagem (Recife-PE), promovida pelos “bolsonaristas” supostamente em defesa da “família”. Chamar as trabalhadoras e os trabalhadores brasileiros de “mortadelas” e as mulheres de “cadelas” é de um brutal desrespeito que nem mesmo as cidadãs e os cidadãos, por mais conservadores que sejam, podem concordar com tamanha afronta à honra, às ideias e aos ideais das pessoas.
As manifestações em defesa de posições políticas e partidárias são absolutamente legítimas, contudo devem ser pautadas pelos princípios do respeito às pessoas e coletivos que têm perspectivas diversas de mundo, bem como se fundamentar em bases pacíficas que promovam e fortaleçam a democracia em nosso País.
Nós que compomos o outro polo desse extremo, realizamos neste sábado uma linda caminhada com o nosso candidato Fernando Haddad e aliados na qual reunimos milhares de pessoas que com a gente percorreram as ruas do centro do Recife como muita alegria e pacifismo para comunicar a sociedade sobre o nosso projeto, tendo em vista a construção de um País justo, inclusivo e soberano sem atacar em nenhum momento, sob nenhuma hipótese, nenhum dos opositores e nem seus apoiadores.
É oportuno, mais uma vez, alertar a sociedade brasileira sobre as consequências nefastas de se alimentar a intolerância, o ódio e a violência como soluções para uma nação que ainda sofre com acentuadas desigualdades de classe, raça, etnia, gênero e orientação sexual e com as mazelas da pobreza e do analfabetismo.
Assim, convocamos todas e todos, mesmo aquelas e aqueles que têm projetos de sociedade diferentes do nosso, para elevarmos o nível desse debate com propostas que ajudem a retirar Brasil do abismo onde se encontra e construirmos uma nação cujo nível do debate não seja a quantidade de pelos no corpo de uma mulher, mas o direito da mulher sobre seu próprio corpo; um debate que não se restrinja à mortadela, mas se amplie para o direito de todas as brasileiras e brasileiros à segurança alimentar com mesa farta e alimentos de qualidade.”

Carlos Veras
Presidente Licenciado da CUT/PE e Candidato a Deputado Federal

Matéria relacionada:


terça-feira, 18 de setembro de 2018

CONVITE




Natanael Caetano, vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR) e vice-presidente do diretório municipal do Partido dos Trabalhadores (PT) convida comunidade para uma roda de conversa com candidatos ao legislativo:

“Convidamos todas trabalhadoras e trabalhadores rurais e urbanos a participarem de uma roda de conversa com os candidatos a deputados Doriel Barros (estadual) e Carlos Veras (federal).
O ato acontecerá amanhã (19) na Agrovila 4 Bloco 2 a partir das 19 horas, venham participar!”

PARA NÃO DIZER QUE NÃO FALEI DOS MINIONS



Desde ontem (17) usuários do Twitter compartilharam com a hashtag #meubolsominionsecreto situações que apontariam discursos contraditórios e negativos atrelados a eleitores do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), conhecido por seus posicionamentos polêmicos e contradições entre falas e práticas. A tag foi inspirada em outra que ganhou força nas redes sociais em 2015, a #meuamigosecreto, utilizada para denunciar situações de machismo.
Entre as principais publicações usando a hashtag, uma do também presidenciável Guilherme Boulos (PSOL), afirmou que o seu bolsominion secreto "pagava uma funcionária pra cuidar dos cachorros com dinheiro público", em referência a Walderice Santos da Conceição, conhecida como Wal, funcionária-fantasma do gabinete de Bolsonaro desde 2003.
Diversas outras publicações passaram a revelar a identidade e prática de eleitores que pregam moral e bons costumes, mas na prática contrariam o discurso.





PORTE DE ARMA NO CAMPO É CARTA BRANCA PARA MATAR

Imagem: Arquivo


Era abril de 2017 quando Inaldo Serejo Gamela, liderança indígena do Maranhão, foi vítima de um ataque arquitetado por fazendeiros atuantes no estado. A ação ocorreu durante a tentativa de retomada de uma terra originalmente indígena que foi grilada nos anos 1970 e hoje é alvo de um intenso conflito entre povos tradicionais e latifundiários.
Durante a emboscada, dezenas de pistoleiros fortemente armados agiram a mando dos fazendeiros e atacaram os gamelas, na tentativa de intimidar os indígenas e impedir a reocupação do território.

“A solução apontada [pelos fazendeiros] foi matar os cabeças. Eles vieram com as armas e já estavam com elas empunhadas. Tem um sentimento [nosso] de impotência diante dessa violência toda”, relata Inaldo, que sofreu ferimentos graves.

No episódio, mais de dez indígenas saíram feridos, sendo cinco deles por arma de fogo. Inaldo levou um tiro na cabeça, passou dois meses com sérios problemas de audição e ainda hoje precisa conviver com as sequelas do problema.
Ele destaca que o uso de armas agrava os resultados dos conflitos agrários. A afirmação está respaldada em números: segundo dados da Comissão Pastoral da Terra (CPT), somente no ano passado foram registrados 71 assassinatos no campo.
E a violência tem sido uma crescente nos últimos anos. Em 2016, foram 61, contra 50 mortes em 2015. O ano de 2014, por sua vez, registrou 36 homicídios.

“Se o grileiro puder usar legalmente uma arma pra defender aquilo que ele considera como propriedade [sua], isso vai ser uma carta branca pra continuar matando índio, quilombola, camponês, ribeirinho”, afirma.

Na Câmara dos Deputados tramitam diferentes medidas que propõem a liberação dessa prática no campo. Uma delas é o Projeto de Lei 6717/2016, de autoria do deputado Afonso Hamm (PP-RS), que autoriza o porte de armas de fogo no campo para qualquer pessoa maior de 21 anos. O texto não impõe, por exemplo, a necessidade de exame de aptidão psicológica do usuário.
Candidatos como Jair Bolsonaro (PSL), representante da extrema-direita, e a ruralista Kátia Abreu (PDT), vice da chapa de Ciro Gomes (PDT), têm defendido abertamente a proposta. O argumento é de que seria uma forma de combater a violência.
O dirigente Alexandre Conceição, do Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST), destaca que a medida dialoga diretamente com o avanço do agronegócio, responsável pela escalada da violência no campo.

“Um projeto desse elevará e muito a temperatura da violência no campo, sobretudo [a ação] da bancada ruralista, dos latifundiários, que não querem terra pra produzir, e sim pra ter poder econômico e politico. O armamento no campo significa a elevação ao grau máximo da violência no campo”, alerta.
O Estatuto do Desarmamento (Lei 10.823), que entrou em vigor em 2003, prevê a liberação de porte de arma para moradores da zona rural que tenham a partir de 25 anos de idade, mas nos casos em que o trabalhador pratica a caça como atividade de subsistência da família. Diante dessas condições, é possível obter o porte de armas junto à Polícia Federal.

PASTORAL

A flexibilização da legislação para garantir o uso geral de armas no campo mobiliza também a CPT, órgão da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que acompanha os conflitos agrários no país.
Em 2017, das 71 mortes registradas, 44% ocorreram em massacres, como o dos gamelas, no Maranhão. Ao todo, foram cinco chacinas ao longo do ano.
O padre Paulo César Moreira, da direção nacional da entidade, aponta que, de modo geral, os grupos populares que vivem em situação de isolamento, especialmente em matas e florestas, tendem a ficar ainda mais vulneráveis à ação de milícias armadas que agem fora da lei e a mando de atores do poder econômico vigente.

“A liberação do porte de armas legaliza esse aparato, esse cenário de violência em uma situação em que a questão fundiária é abandonada pelo governo e deixada à sorte do mais forte, do latifúndio, do agronegócio. É algo que nos preocupa muito”, afirma.

No ano passado, a CPT registrou um total de 1.431 conflitos agrários no Brasil, com cerca de 708 mil pessoas envolvidas.
Fonte: Brasil de Fato

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

NA SEMANA DO SURDO UMA HOMENAGEM A QUEM SE DEDICOU À INCLUSÃO

Imagens: Arquivo


Na semana do surdo! Iza Lira, juntamente ao Blog, presta sua homenagem a quem dedicou grande parte de sua vida à inclusão:

“Como não lembrar de LÚCIA  BARROS que foi e continua sendo uma pessoa de fundamental importância na construção do desenvolvimento dessa cultura. Fundadora e idealizadora do CEFORBROL e Grupo Mãos que Encantam aqui em Petrolândia.
Mesmo depois da sua partida eu, IZA LIRA, continuo o projeto, qualificando pessoas para o mercado de trabalho a partir do ensino da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS). Já são mais de 800 pessoas em toda região do Pernambuco sendo multiplicadoras da semente de Lúcia Barros nas cidades de Petrolândia, Agrovila dos Mandantes, Floresta, Belém do São Francisco, Cabrobó e Orocó.
Parabéns a todos alunos e colaboradores deste projeto.”

NOTA PÚBLICA




Romilda Freire da Silva perdeu o seu RG e cartão do Bolsa Família em frente à prefeitura.
Quem encontrou o documento, favor entrar em contato pelo telefone: (87) 999734982.